fbpx

Acadêmicas de Estética e Cosmética da Unisulma criam produto à base do óleo de coco

Acadêmicos do curso de Educação Física utilizam materiais reciclados para produção de prancha
19 de setembro de 2018
Fique por dentro das ferramentas de marketing para obter sucesso em seu negócio
8 de novembro de 2018

Maíra Barros e Adriana de Araújo, acadêmicas de Estética e Cosmética da Unisulma, apresentaram na Tv Mirante no dia 5 de agosto, a reportagem acerca do trabalho de conclusão do curso. O projeto foi orientado pela farmacêutica, Márcia Guelma e tem como tema “O uso do óleo de coco babaçu como emoliente em formulação fitocosmética com ação hidratante”.

Idealizado inicialmente pela aluna Maíra Barros, ela conta que para a formulação de um produto tinha como intuito a utilização de uma matéria prima regional. “Quando entrei no curso de Estética, eu pensei em desenvolver algo. Quando tive a disciplina de Cosmética I, fui vendo as incorporações, as formulações de hidratantes, sabonetes e várias outras coisas. Então, desenvolvemos o fitocosmético com a base, a matéria prima do óleo do coco babaçu”, conclui.

A escolha pelo fruto se deu a partir do fácil acesso, ao se tratar de um produto regional. Além disso, a espécie é rica em ácidos graxos, viabilizadores de novos vasos sanguíneos,ajuda no equilíbrio do manto hidro lipídico, é cicatrizante e altamente bactericida, é um produto fito cosmético e emoliente, ou seja, tem a propriedade de amolecer, distender e abrandar a região aplicada. Ser uma espécie de grande riqueza local o torna barato, o que aquece o mercado da região por meio das quebradeiras de coco, como são conhecidas as mulheres responsáveis pela coleta do fruto.

Para a farmacêutica e orientadora do projeto, Márcia Guelma, a satisfação vai além da conquista, “é interessante quando a disciplina alcança o aluno de uma forma a envolvê-lo a criar uma ideia e querer desenvolver como gancho à disciplina. De alguma forma eu atendi o objetivo de mostrar que existe um universo experimental na área da manipulação e que envolve a estética”, afirma.

O produto foi aprovado após apresentar eficácia nos testes preliminares. O projeto foi submetido ao prêmio jovem cientista como produto de sustentabilidade. O próximo passo é o processo de patente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acessibilidade
//]]>
Atendimento via chat
Atendimento via chat