[Artigo] Relacionamento conjugal e maternidade. Como conciliar?

Curso de Educação Física promove torneio universitário
10 de maio de 2018
Professora do curso de Direito da Unisulma apresenta pesquisa na UnB
14 de maio de 2018

Papéis. Essa é uma palavra que faz parte do mundo feminino. Diante da imensidão de demandas e atribuições que lhe és dada, a mulher desempenha inúmeros papéis no decorrer da sua vida e dentre as inúmeras atribuições aquelas que estão relacionados à construção de relacionamentos íntimos, pertencimento e filiação ao outro estão entre as mais importantes: o ser companheira e o ser mãe.

O compartilhamento do amor e a união conjugal com um parceiro íntimo é um momento sonhado por muitas mulheres e vivido de maneira bem intensa e com muita cumplicidade. Faz parte da conjugalidade a existência da criação de um “mundo” só do casal. É nesse espaço aonde os dois vão se constituindo como parceiros, vão vivenciando experiências, trocando ideias e se ajustando, visto que como seres diferentes também têm seus conflitos.

E quando os filhos chegam como fica essa conjugalidade?

O ser mãe evoca diversos sentimentos positivos, mas também desperta muitos desafios e exige uma mudança na dinâmica da vida da mulher e consequentemente do casal. Quando o bebê chega em casa, a rotina do casal muda, a criança vira o foco da casa, o sono é alterado e a liberdade da vida a dois desaparece e em geral o pai (marido) fica mais carente e enciumado com a atenção que a mãe dá para o bebê. A conjugalidade então, logo se altera e muitas vezes a mulher ao ser mãe, deixa de lado os outros papéis que exerce e que também faz parte de si, como o ser companheira.

Na total entrega desse papel tão importante de ser mãe, ela se anula como mulher e muitas vezes passa apenas a se enxergar apenas como mãe. Mas é importante que as mulheres saibam que para exercer plenamente a maternidade, elas não precisam anular o seu lado mulher, ou companheira! É claro que a vida muda após a maternidade, faz parte do ciclo da vida. Porém, é importante que a mulher saiba gerenciar sua nova rotina e assim não abdicar de aspectos que também são importantes para a sua felicidade, como a sua relação conjugal.

Como conciliar relacionamento conjugal e maternidade? 

Algumas dicas se tornam importantes nesse processo de adaptação da maternidade e ajustamento dela ao relacionamento conjugal, algumas delas são:

– Tire um tempo para se cuidar! Se sentir bem e cuidada será ótimo para sua autoestima e isso refletirá no seu relacionamento também.

– Arranje um tempo para namorar! Seja de forma rápida ou aproveitando os momentos de sono do seu filho. Tire um tempo para desfrutar do seu companheiro e curtir um momento a sós com ele.

– Lembre-se você não precisa dar conta de tudo! Muito menos sozinha… Defina prioridades e converse com seu parceiro sobre como juntos poderão cuidar do seu filho. Aceite ajuda dele, pois o que é compartilhado se torna mais leve!

– Tenham muito diálogo! Conversar sobre os seus sentimentos e do seu companheiro ajudarão o casal a entender aquilo que pode estar incomodando um ou outro e ajudá-los também a encontrar formas de resolver essas situações. Entenda o ponto de vista dele e expresse o seu para que assim vocês consigam ver o que é melhor para o casal.

O filho vem pra transbordar o amor que já existe entre o casal e se o casal souber gerenciar bem este momento, a fase será vivenciada de uma maneira muito proveitosa. Seja mãe, seja uma boa mãe, mas não se esqueça de ser mulher também, isso a ajudará em sua realização, e consequentemente os aspectos positivos dessa conjugalidade e união do casal irão refletir de forma positiva no ambiente familiar.

 

Dayse Silva Chaves
Psicóloga (CRP 22/01417)
Docente do curso de Psicologia do IESMA/UNISULMA
Especialista em Neuropsicologia e mestranda em Psicologia Clínica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *