fbpx

Obras são lançadas na 1° Jornada de Psicologia

Jornada de Psicologia marca dois anos do curso na Região Tocantina
14 de setembro de 2018
Acadêmicos do curso de Educação Física utilizam materiais reciclados para produção de prancha
19 de setembro de 2018

Na manhã do dia 28 de agosto, segundo dia de evento, houve lançamento de livros relacionados à psicologia. Obras baseadas na Antropologia, na área Jurídica e Ciências Sociais, puderam contribuir diretamente ao conhecimento na área das ciências psicológicas.

Entre os autores presentes, o doutorando em Direito Público, Paulo Thiago Dias, pode contemplar aos profissionais e acadêmicos presentes, a obra “A decisão de pronúncia baseada no in dubio pro societate: um estudo crítico sobre a valoração da prova no processo penal constitucional”. A abordagem do livro se desenvolve na decisão judicial em benefício da sociedade. Para o autor, a psicologia trabalha em conjunto aos ensinamentos do direito, “a partir do momento que nós podemos identificar que mesmo as pessoas munidas das melhores das intenções podem sofrer de uma personalidade, de uma mentalidade, de uma concepção autoritária, isso vai refletir na atuação, vai refletir naquilo que a pessoa vem publicando, vai refletir também nas escolhas que a gente vem fazendo em outros campos.”, afirma.

Segundo ele,participar do evento foi não só distribuir experiências, mas compartilhar e adquirir conhecimento, “uma grande honra participar de um evento tão interessante que promove diálogo entre ciência e a busca por experiências. Que a gente possa aprender com isso, possa melhorar o nível do ensino jurídico e melhorar a prestação jurisdicional que a gente vem distribuindo à sociedade e com isso crescer.”, conclui.

“Umbigos enterrados: corpo, pessoa e identidade Capuxu através da infância” é título da obra humanizada escrita pela doutora em Antropologia, Emilene Sousa, que aborda como a pessoa Capuxu é construída a partir de processos de produção de corpos na infância. Segundo a autora, o livro retrata a história de um grupo camponês que habita no sertão da Paraíba e submete crianças a processos constantes de produção de seus corpos, para a garantia do bem estar da pessoa, bem como para a manutenção dos sinais diacríticos. A obra foi escrita com base em discussões teóricas sobre o corpo e a pessoa, inspirada na etnologia indígena, dialogando com a antropologia da criança e do campesinato, com as discussões sobre etnicidade.

“Acredito que minha obra pode contribuir para os estudantes e profissionais da Psicologia,apresentando novas e outras leituras sobre a infância, muito voltadas para a perspectiva da diversidade, do relativismo cultural, dessa busca de sentidos que são atribuídos pelas crianças a partir do seu próprio contexto, da sua própria experiência com a infância e de determinados recortes, sejam eles urbanos, rurais ou indígenas. ”, acrescenta.

O terceiro lançamento do dia, tem como título “Sossegue moleque, agora você mora em condomínio: segregação, gestão e resistência nas novas políticas de moradia popular no Rio de Janeiro”. Doutor em Ciências Sociais, Wellington Conceição,afirma que sua obra contribui principalmente para a formação de psicólogos que têm interesse pela psicologia social, e acrescenta “reconhecer por exemplo que a população mais pobre, que muitas vezes é percebida a partir de um estigma, de uma estereotipização é o sujeito fundamental nas políticas públicas. A gente precisa conhecer esse sujeito, seus interesses, suas vontades e a sua forma de compreensão do mundo.”, diz.

Acrescenta ainda sobre sua participação no evento, “eu adorei o convite, é sempre interessante a gente conversar com pessoas de outras áreas do conhecimento, agente poder divulgar nosso trabalho e eu fico muito grato pelo convite.”, agradece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acessibilidade
//]]>